Seminário de Negócios Internacionais do Paraná – 2° Dia, Final e Almoço eventos 06/12/2022

Seminário de Negócios Internacionais do Paraná – 2° Dia, Final e Almoço

Articulação entre ecossistemas é fundamental para internacionalizar negócios

 World Trade Centers Curitiba, Joinville e Porto Alegre reforçam ações de integração
entre as forças empresariais e públicas pública nos três estados do Sul

 Giancarlo Rocco, diretor de desenvolvimento da Invest PR, Isabela Garcia, assessora de relações internacionais da Invest PR, Daniella Abreu, presidente do WTC Curitiba, Isabela Andrade, analista de relações internacionais do CIN/PR da Fiep, Alisson Sato, sócio da Qualinova, e Hiago Tavares, gerente de negócios internacionais do WTC Curitiba. Foto: Valterci Santos

 Com a missão de ajudar a articular as forças produtivas e o poder público, os World Trade Centers (WTC) Curitiba, Joinville e Porto Alegre estão reforçando ações para potencializar a internacionalização de negócios do ecossistema empresarial e econômico dos três estados da Região Sul. Parte desse esforço foi o primeiro Seminário de Negócios Internacionais do Paraná, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), que reuniu 17 experts em internacionalização de empresas, serviços e produtos paranaenses, além de representantes do governo municipal, estadual e federal, da indústria e de agências de fomento. O evento foi encerrado com um almoço, com a presença de convidados e integrantes do clube de negócios, recebidos pela presidente, a executiva Daniella Abreu, no Nooma Hotel, em Curitiba.

“Nosso objetivo central é explorar o potencial de negócios internacionais do Sul do Brasil. Para isso, oferecemos a rede do World Trade Centers Association (WTCA) – com associados presentes em mais de 320 escritórios pelo mundo – para abrir as portas aos atores do setor produtivo, governos e instituições parceiras, trabalhando em sintonia com o WTC. Além da Fiep, por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN/PR), agradecemos a Invest Paraná, Apex Brasil, Fecomércio, Sebrae e a Prefeitura de Curitiba pela realização deste seminário”, disse Daniella Abreu, ao fim do evento.

 Para a executiva, que tem 12 anos de experiência em negócios internacionais na Europa, e foi secretária de estado de Assuntos Internacionais de Santa Catarina, o momento econômico é favorável à aceleração de parcerias e investimentos. “Estamos mais conectados do que imaginávamos. Hoje é possível realizar um webinar com convidados nos quatro cantos do mundo. As cadeias de negócios e processos internacionais já existem e precisam ser melhor exploradas. Durante a pandemia, tivemos o foco de sobrevivência e de retomada. Agora, com a reabertura da maioria dos países e retomada econômica, precisamos acelerar a busca de oportunidades de negócios no comércio exterior.

 Para Carlos Valter Martins Pedro, presidente do Sistema Fiep, a federação busca ser indutora para negócios internacionais. “Como industrial, sempre acreditei nos relacionamentos comerciais entre países, que podem ser incrementados por agentes como a Fiep. Temos dialogado, nesse sentido, com a Fiesc e a Fiergs também. Com o CIN/PR, daremos sequência a este movimento. Ainda aproveitamos pouco as interações na Região Sul, em que saúdo a atuação do WTC em sintonia nos três estados, e também na América do Sul, principalmente no potencial de comércio, indústria e turismo. A evolução dos negócios é possível e a Fiep está à disposição.”

 Para Claudia Schittini, coordenadora do CIN/PR, o Seminário de Negócios Internacionais atingiu as expectativas dos organizadores. “Esse evento surgiu de uma ideia de webinar, cresceu e se transformou num seminário, realizado com sucesso. Foram dois dias muito proveitosos, com conteúdo e debates de qualidade para empresas que querem se internacionalizar, por meio de cases de empresas que estão nesse processo. Agradeço a todos os parceiros pela organização e mediação do seminário de negócios, em especial o WTC Curitiba.”

 Oportunidades na América Latina

 Na terceira e última sessão do Seminário de Negócios Internacionais do Paraná, o debate foi sobre as “Relações comerciais do Paraná com a América Latina: oportunidades e prioridades”, para aproximar o empresariado paranaense do mercado internacional, com ênfase em informações sobre exportações e investimentos no Chile, Peru, Paraguai e Colômbia. Estiveram reunidos Gabriel Ralile, representante do Chile; Cauê Oliveira Fanha, chefe do Setor de Promoção Comercial e Turismo da Embaixada do Brasil em Lima; Antonio Carlos Dos Santos, presidente da Câmara de Comércio Paraguai-Brasil; e Ana Milena Cortazar Mejía, diretora internacional e de uso de acordos comerciais da Associação Nacional de Empresários da Colômbia (ANDI). A mediação foi feita por Hiago Tavares, gerente de Negócios Internacionais do WTC Curitiba.

 Apresentando a Aliança do Pacífico, bloco econômico que reúne Chile, Colômbia, México e Peru, Ana Milena destacou que os protocolos comerciais preveem a construção de uma área de integração em livre circulação de bens, serviços, capitais e pessoas. “O objetivo da Aliança é impulsionar o crescimento, o desenvolvimento econômico e a competitividade dos países integrantes, convertendo-se também em plataforma de articulação política e comercial com ênfase na região da Ásia e do Pacífico.” Somados, os quatro países reunidos na Aliança do Pacífico são a oitava economia mundial, com 37% do PIB da América Latina, 35% da população latina (229 milhões de habitantes) e inflação média de 3%. Por sua vez, Santos destacou as vantagens comparativas do ambiente econômico do Paraguai. “Temos o maior crescimento projeto na América Latina entre 2020 e 2024, a menor taxa de impostos indiretos da região, além da menor taxa corporativa. Os custos de energia na região também são os mais reduzidos, em uma economia marcada pela resiliência a efeitos externos, crescente diversificação e população mais jovem da região.”

 Sobre o World Trade Center

O WTC é um ecossistema global de comércio e investimento, criado há mais de 50 anos como um ponto central de cooperação e conexão, visando a organizar e facilitar a expansão de negócios internacionais. Trabalha para dar continuidade ao legado do WTCA, de criar prosperidade e desenvolvimento econômico relevante, com foco no Brasil, mostrando ao resto do mundo o que os estados do Sul do Brasil têm de melhor a oferecer e perseguindo mais oportunidades para nossos associados. O WTC busca aumentar a competitividade das empresas locais, gerar negócios, fomentar o comércio internacional, disseminar melhores práticas globais, fomentar a educação e a liderança empreendedora e trazer inovação e investimentos para o país.

Write a comment
Your email address will not be published. Required fields are marked *